Futurismo
Ninsaúde

 

Adesivo pode aferir pressão arterial

O selo flexível pode realizar leituras que normalmente exigem equipamentos invasivos e volumosos.

Como foi a última vez que você teve a sua pressão arterial checada? Provavelmente, em um consultório médico, com uma braçadeira volumosa em torno do seu braço. Em breve, talvez você só precise de um simples adesivo em seu pescoço, não maior que um selo postal.

Esse é o objetivo de Sheng Xu e sua equipe da University of California, em San Diego. Eles estão trabalhando em um adesivo capaz de aferir a pressão arterial central continuamente – a pressão do sangue que flui pela aorta, a artéria do coração que fornece sangue para todas as diferentes partes do corpo. Isso poderia tornar muito mais fácil a monitoração das condições cardíacas, além de manter em monitoramento outros órgãos vitais, como fígado, pulmões e cérebro.

O adesivo de elastômero de silicone, funciona enviando ondas ultrassônicas que penetram na pele e refletem os tecidos e o sangue do usuário. Essas reflexões são enviadas de volta para o sensor e, em seguida, para um laptop que processa os dados da pressão sanguínea (por enquanto, o adesivo deve estar conectado a um laptop e a uma fonte de energia).

É o primeiro dispositivo wearable conhecido, que pode sentir profundamente abaixo da superfície da pele. Em teoria, o adesivo poderia ser usado em casa para monitorar os pacientes ao longo do tempo. Pelo fato de não estar inserido no corpo, não há risco de infecção.

Um estudo sobre o trabalho de Xu e seus colegas, publicado em setembro de 2018 na Nature Biomedical Engineering, descobriu que o adesivo pode monitorar contínua e precisamente a pressão arterial central quando colocado em diferentes partes do corpo, entretanto, é mais eficaz se aplicado no pescoço. Nesse estudo, eles o compararam a um dispositivo eficiente não invasivo, porém de difícil controle, chamado tonômetro, no qual coloca-se um sensor de pressão na pele. As diferenças entre os resultados dos dois dispositivos foram uma fração do que é considerado um intervalo “aceitável” para erros de dispositivos padrão de pressão arterial.

O adesivo é muito menos invasivo que o atual padrão-ouro para aferir a pressão arterial central, uma vez que este utiliza um cateter com um sensor que é inserido próximo ao coração. Um dos próximos passos dos pesquisadores é testar seu adesivo contra este cateter para avaliar seu funcionamento.

O dispositivo pode fornecer muito mais informações do que se obtém utilizando um aparelho padrão de pressão arterial. Xu acredita que essas informações podem ser úteis para monitorar pacientes com condições como hipertensão ou histórico de ataque cardíaco.

“Você não precisa usar um aparelho de pressão arterial o tempo todo” afirma Xu.

Também aponta que, como o adesivo pode ser colocado próximo a veia jugular, ele pode medir quanto sangue está fluindo para o coração. “Isso pode ser útil para detectar se alguém está desidratado”.

Apesar dos benefícios que o adesivo oferece, nem todos estão convencidos. Mohan Thanikachalam, um cirurgião cardíaco da Tufts University, acredita que um aparelho que monitora a pressão arterial periférica pode ser mais eficiente.”A pressão arterial pode vir a ter mais valor preditivo em termos de resultados no futuro, mas a partir de agora não temos tantos dados” diz ele.

Ainda assim, o adesivo também pode ter utilidade além do corpo. Xu, que foi um dos inovadores com menos de 35 anos da MIT Technology Review’s em 2018, acredita que os adesivos de ultrassom também podem ser úteis para encontrar pequenas rachaduras em peças mecânicas complexas, como as de aviões.

Fonte: Rachel Metz para o MIT Technology Review