Futurismo
Ninsaúde

 

Implante na medula espinhal ajuda pacientes paralisados a andar novamente

A síndrome dolorosa do membro fantasma é uma condição fisiológica que ocorre em cerca de 85% dos pacientes amputados. Trata-se da sensação de dor em uma parte do corpo que foi removida de forma traumática ou congênita. Uma das técnicas mais eficazes para o tratamento da dor é a estimulação medular, sua taxa de eficácia varia de 50 a 70%.

Duas equipes distintas, o Centro de Pesquisa de Lesão Medular da Universidade de Louisville e a Clínica Mayo em Rochester, Minnesota, revelaram na Nature Medicine e no New England Journal of Medicine que o dispositivo, em conjunto com o treinamento físico, possibilitou que pacientes com lesão completa na medula espinhal pudessem recuperar movimentos voluntários.

O dispositivo que consiste de dois componentes, um neuroestimulador e uma placa de um conjunto revestido com 16 eletrodos, foi inserido abaixo do local da lesão, ativando regiões que captam sinais sensório-motores perdidos emitidos pelo cérebro, os amplificam e os redirecionam para o tecido da medula espinhal. Ele é ligado a uma bateria implantada na parede abdominal, e sua frequência de estimulação, intensidade e duração podem ser ajustados wirelessly. A atividade elétrica produzida pelos músculos das pernas foi monitorada durante as sessões.

A estimulação epidural atua com base no princípio de que ainda existem alguns pequenos sinais do cérebro que atravessam o local da lesão da medula espinhal, porém por si só não são suficientes para gerar movimentos voluntários. A medula espinhal pode sinalizar que os músculos se movem, independentemente dos comandos do cérebro. É como a galinha que continua a correr, mesmo depois de sua cabeça ter sido cortada.

“Sabemos que a medula espinhal tem a capacidade de organizar detalhadamente as atividades motoras”, afirma a Dra. Claudia Angeli coautora de um dos estudos do Centro de Pesquisa de Lesão Medular do Kentucky. “Antes da lesão, a medula recebia comandos do cérebro e informações do ambiente” diz, a lesão interrompe essa comunicação. “A medula espinhal é isolada, potencialmente ainda recebe informações do ambiente, mas perdeu o grande condutor, que é o cérebro”. Claudia ainda acrescentou que o treinamento físico para vincular os movimentos com esses sinais é crucial.

No estudo publicado, Angeli e seus colegas relataram que o dispositivo foi implantado em quatro pessoas paralisadas anos atrás, após sofrerem acidentes de trânsito ou mountain bike. Todas perderam todo o controle motor abaixo do local da lesão, porém duas demonstraram algum nível de sensibilidade. Após a implantação do dispositivo e treinamento locomotor, duas conseguiram andar sobre o solo sem ajuda e todas recuperaram algum movimento.

Kelly Thomas, uma jovem de 23 anos da Flórida que perdeu seus movimentos em um acidente de carro, foi capaz de andar com auxílio de um andador, após 81 sessões de estimulação durante 15 semanas, e disse: “Ser uma participante neste estudo realmente mudou a minha vida, já que me proporcionou uma esperança que eu não achei que fosse possível após meu acidente de carro”. Jeff Marquis, de 35 anos, que perdeu seus movimentos em uma excursão de moutain bike, também andou pouco mais de 90 metros sem interrupção após 278 sessões ao longo de 85 semanas. Agora ele pode realizar suas atividades de forma independente, uma vez que precisava de um ajudante para tirá-lo de sua cama todas as manhãs, “Eu posso fazer isso sozinho agora” afirma Jeff. As outras duas pessoas conseguiram ficar de pé e sentar-se independentemente, uma delas foi capaz de caminhar alguns passos na esteira com um apoio como reforço.

A equipe da Clínica Mayo liderada pelo neurocirurgião Dr. Kendall Lee, obteve resultados semelhantes utilizando o mesmo procedimento. Segundo o estudo publicado, Jered Chinnock de 29 anos, que teve sua medula espinhal cortada e ficou paralisado após um acidente de snowmobile, pode andar novamente com auxílio para manter o equilíbrio, após 43 semanas de tratamento.

“A própria mente do paciente, ou pensamento, foi capaz de conduzir o movimento das pernas”, disse o Dr. Kendall Lee ressaltando que muito do mecanismo ainda permanece desconhecido. “Você precisa fornecer um tipo muito específico de parâmetros de estimulação. Uma estimulação aleatória não funciona”. Programar o aparelho para dar melhores resultados leva tempo e para atingir um bom equilíbrio, é necessário sintonizar corretamente a intensidade da estimulação e embora o dispositivo recupere os movimentos voluntários ele não restaura a sensação dos órgãos removidos.

“Nossos resultados, combinados com evidências anteriores, enfatizam a necessidade de reavaliar nossa compreensão atual da lesão da medula espinhal, a fim de perceber o potencial de tecnologias emergentes para a recuperação funcional, uma vez que pensava-se ser permanentemente perdida”, disse Lee.

Segundo Angeli, há esperanças de que a abordagem possa ajudar com mais do que o movimento das pernas. Angeli também afirma que o próximo passo é analisar as possibilidades de realizar esta estimulação epidural na bexiga, assim melhorando seu controle”.

Já Mike Milner, CEO da Nicholls Spinal Injury Foundation, diz que embora a pesquisa parecesse promissora, a instituição de caridade apoia outro tipo de abordagem para combater lesões na medula espinhal usando células especiais tiradas do nariz do paciente, bem como fibras nervosas, para corrigir a lesão.

“Estamos procurando não apenas uma cura natural ou biológica para a paralisia – mas uma cura permanente”, disse ele.

Fontes: The Guardian, Medical Xpress, Epidural Stimulation, Revista de Medicina e Saúde de Brasília.