Futurismo
Ninsaúde

 

#Meditação


Pode a meditação desacelerar o envelhecimento?

As práticas espirituais podem parecer um mundo distante da pesquisa biomédica, com seu foco em processos moleculares e resultados repetíveis. No entanto, na costa da Universidade da Califórnia, em San Francisco (UCSF), uma equipe liderada por uma bioquímica ganhadora do Prêmio Nobel está investindo em território onde poucos cientistas convencionais ousariam seguir adiante. Enquanto a biomedicina ocidental tem tradicionalmente evitado o estudo das experiências e emoções pessoais em relação à saúde física, esses cientistas estão colocando o estado de espírito no centro de seu trabalho. Eles estão envolvidos em estudos sérios sugerindo que a meditação pode – como as tradições orientais há muito afirmam – retardar o envelhecimento e prolongar a vida.

Elizabeth Blackburn sempre foi fascinada por como a vida funciona. Nascida em 1948, cresceu junto ao mar em uma remota cidade da Tasmânia, na Austrália, coletando formigas de seu jardim e águas-vivas da praia. Quando ela começou sua carreira científica, ela passou a dissecar moléculas de sistemas vivos por molécula. Ela foi atraída pela bioquímica, diz ela, porque ofereceu um entendimento completo e preciso “na forma de um profundo conhecimento da menor subunidade possível de um processo”.

Trabalhando com o biólogo Joe Gall em Yale na década de 1970, Blackburn sequenciou as pontas dos cromossomos de uma criatura de água doce unicelular chamada Tetrahymena (“lagoa escumalha”, como ela descreve) e descobriu um motivo repetitivo de DNA que funciona como uma tampa protetora. As cápsulas, apelidadas de telômeros, foram posteriormente encontradas em cromossomos humanos também. Eles protegem as extremidades de nossos cromossomos cada vez que nossas células se dividem e o DNA é copiado, mas elas se desgastam com cada divisão. Na década de 1980, trabalhando com a estudante de pós-graduação Carol Greider, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, Blackburn descobriu uma enzima chamada telomerase que pode proteger e reconstruir os telômeros. Mesmo assim, nossos telômeros diminuem com o tempo. E quando ficam muito curtas, nossas células começam a funcionar mal e perdem a capacidade de se dividir – um fenômeno que agora é reconhecido como um processo-chave no envelhecimento. Este trabalho finalmente ganhou Blackburn o Prêmio Nobel de 2009 em Fisiologia ou Medicina.

Em 2000, ela recebeu uma visita que mudou o curso de sua pesquisa. A pessoa que ligou foi Elissa Epel, pós-doc do departamento de psiquiatria da UCSF. Psiquiatras e bioquímicos geralmente não têm muito o que conversar, mas Epel estava interessada nos danos causados ​​ao corpo pelo estresse crônico, e ela tinha uma proposta radical.

Epel, agora diretora do Centro de Envelhecimento, Metabolismo e Emoção da UCSF, tem um interesse de longa data em como a mente e o corpo se relacionam. Ela cita como influência tanto o guru de saúde holístico Deepak Chopra quanto o biólogo pioneiro Hans Selye, que descreveu pela primeira vez na década de 1930 como os ratos submetidos ao estresse de longo prazo ficam cronicamente doentes. “Cada estresse deixa uma cicatriz indelével, e o organismo paga por sua sobrevivência após uma situação estressante, tornando-se um pouco mais velho”, disse Selye.

Em 2000, Epel queria encontrar essa cicatriz. “Eu estava interessada na ideia de que, se olharmos profundamente dentro das células, poderemos medir o desgaste do estresse e da vida cotidiana”, diz ela. Depois de ler sobre o trabalho de Blackburn sobre o envelhecimento, ela se perguntou se os telômeros poderiam se encaixar na conta.

Com algum receio de se aproximar de um cientista tão experiente, o pós-doutorado pediu a ajuda de Blackburn com um estudo de mães que passavam por uma das situações mais estressantes em que ela podia pensar – cuidar de uma criança cronicamente doente. O plano de Epel era perguntar às mulheres como elas se sentiam estressadas e depois procurar uma relação entre seu estado mental e o estado de seus telômeros. Os colaboradores da Universidade de Utah mediram o comprimento dos telômeros, enquanto a equipe de Blackburn mediu os níveis de telomerase.

A pesquisa de Blackburn até esse ponto envolveu experimentos controlados com precisão no laboratório. O trabalho de Epel, por outro lado, focava em pessoas reais, vivendo vidas complicadas. “Era outro mundo, tanto quanto eu esperava”, diz Blackburn. No começo, ela duvidava que fosse possível ver qualquer conexão significativa entre o estresse e os telômeros. Os genes eram vistos como o fator mais importante na determinação do comprimento dos telômeros, e a ideia de que seria possível medir as influências ambientais, e muito menos as psicológicas, era altamente controversa. Mas, como mãe, Blackburn foi atraída pela idéia de estudar a situação dessas mulheres estressadas. “Eu apenas pensei, que interessante”, diz ela. “Você não pode evitar empatia.”

Levou quatro anos até que eles finalmente estivessem prontos para coletar amostras de sangue de 58 mulheres. Este seria um pequeno estudo piloto. Para dar a maior chance de um resultado significativo, as mulheres dos dois grupos – mães estressadas e controladas – tiveram que combinar o mais próximo possível, com idades, estilos de vida e origens semelhantes. Epel recrutou suas pacientes com cuidado meticuloso. Ainda assim, diz Blackburn, ela viu o julgamento como nada mais do que um exercício de viabilidade. Até que Epel ligou para ela e disse: “Você não vai acreditar.”

Os resultados foram claros. Quanto mais estressadas as mães disseram que eram, mais curtos eram seus telômeros e menores eram os níveis de telomerase.
As mulheres mais exaustas do estudo tinham telômeros que se traduziram em uma década ou mais de envelhecimento em comparação com aqueles que estavam menos estressados, enquanto os níveis de telomerase estavam reduzidos pela metade. “Fiquei emocionada”, diz Blackburn. Ela e Epel conectaram vidas e experiências reais à mecânica molecular dentro das células.

Foi a primeira indicação de que se sentir estressado não apenas prejudica a nossa saúde – ela literalmente nos envelhece.

Muitos pesquisadores de telômeros foram cautelosos no início. Eles apontaram que o estudo era pequeno e questionaram a precisão do teste de comprimento dos telômeros utilizado. “Essa era uma ideia arriscada naquela época e, aos olhos de algumas pessoas, improvável”, explica Epel. “Todo mundo nasce com comprimentos de telômeros muito diferentes e acha que podemos medir algo psicológico ou comportamental, não genético, e ter isso prediz a duração de nossos telômeros? Isto não é realmente onde este campo foi há dez anos.”

O papel desencadeou uma explosão de pesquisa. Os pesquisadores, desde então, vincularam o estresse percebido a telômeros mais curtos em mulheres saudáveis, bem como em cuidadores de Alzheimer, vítimas de abuso doméstico, trauma precoce, pessoas com depressão grave e transtorno de estresse pós-traumático. “Dez anos depois, não há dúvida de que o ambiente tem alguma consequência na duração dos telômeros”, diz Mary Armanios, médica e geneticista da Johns Hopkins School of Medicine, especialista em transtornos de telômeros.

Há também progresso em direção a esse mecanismo. Estudos laboratoriais mostram que o hormônio do estresse, o cortisol, reduz a atividade da telomerase, enquanto o estresse oxidativo e a inflamação – consequências fisiológicas do estresse psicológico – parecem corroer diretamente os telômeros.

Isso parece ter consequências devastadoras para a nossa saúde. Condições relacionadas à idade, desde osteoartrite, diabetes e obesidade até doenças cardíacas, doença de Alzheimer e derrame cerebral, têm sido relacionadas a telômeros curtos.

A grande questão para os pesquisadores agora é se os telômeros são simplesmente um marcador inofensivo de danos relacionados à idade (como cabelos grisalhos, digamos) ou se eles desempenham um papel em causar os problemas de saúde que nos atormentam à medida que envelhecemos. Pessoas com mutações genéticas que afetam a enzima telomerase, que têm telômeros muito mais curtos do que o normal, sofrem de síndromes de envelhecimento acelerado e seus órgãos falham progressivamente. Mas Armanios questiona se as menores reduções no comprimento dos telômeros causadas pelo estresse são relevantes para a saúde, especialmente porque os comprimentos dos telômeros são tão variáveis ​​em primeiro lugar.

 

Sara Andreasson

No entanto, como a evidência do dano causado pela diminuição dos telômeros se acumula, as pesquisas estão embarcando em uma nova questão: como protegê-los. “Dez anos atrás, se você tivesse me dito que eu estaria pensando seriamente em meditação, eu teria dito que um de nós é louco”, disse Blackburn ao New York Times em 2007. No entanto, é onde seu trabalho sobre telômeros a trouxe. Desde seu estudo inicial com Epel, a dupla se envolveu em colaborações com equipes de todo o mundo – até 50 ou 60, calcula ela, girando em “direções maravilhosas”. Muitos deles se concentram em maneiras de proteger os telômeros dos efeitos do estresse; os ensaios sugerem que o exercício, a alimentação saudável e o apoio social ajudam. Mas uma das intervenções mais eficazes, aparentemente capaz de retardar a erosão dos telômeros – e talvez até aumentá-las novamente – é a meditação.

As teorias diferem sobre como a meditação pode impulsionar os telômeros e a telomerase, mas muito provavelmente reduz o estresse. A prática envolve respiração lenta e regular, que pode relaxar-nos fisicamente acalmando a resposta de luta ou fuga. Provavelmente também tem um efeito psicológico de anti-estresse. Ser capaz de afastar-se de pensamentos negativos ou estressantes pode nos permitir perceber que estes não são necessariamente reflexos precisos da realidade, mas eventos passageiras e efêmeros. Também nos ajuda a apreciar o presente em vez de nos preocuparmos continuamente com o passado ou planejar o futuro.

Inevitavelmente, quando um ganhador do Prêmio Nobel começa a falar sobre meditação, ele irrita algumas pessoas. Em geral, a abordagem metódica de Blackburn sobre o assunto ganhou uma admiração relutante, mesmo entre aqueles que expressaram preocupação com as alegações de saúde feitas para a medicina alternativa. “Ela cuida de seus negócios de maneira cautelosa e sistemática”, diz Edzard Ernst, da Universidade de Exeter, Reino Unido, especialista em testar terapias complementares em rigorosos testes controlados. O oncologista James Coyne da Universidade da Pensilvânia, Filadélfia, que é cético em relação a esse campo em geral e descreve algumas das pesquisas sobre psicologia positiva e saúde como “moralmente ofensivas” e “ciência da sfadas dos dentes”, admite que alguns dos dados de Blackburn são “promissores”.

Mas, em seu novo estudo com 239 mulheres saudáveis, Blackburn descobriu que as mulheres cujas mentes vagavam menos (o objetivo principal da meditação da atenção plena) tinham telômeros significativamente mais longos do que aquelas cujos pensamentos ficavam enlouquecidos. “Embora relatemos apenas uma associação aqui, é possível que uma maior presença de espírito promova um ambiente bioquímico saudável e, por sua vez, a longevidade das células”, concluíram os pesquisadores. As tradições contemplativas do budismo ao taoísmo acreditam que a presença da mente promove saúde e longevidade; Blackburn e seus colegas agora sugerem que a sabedoria antiga pode estar certa.

 

Fonte [editado] – Jo Marchant para Mosaic Science