Futurismo
Ninsaúde

 

#Neurologia


Como a realidade virtual pode ser relevante na saúde mental?

Ainda estamos muito longe de sermos capazes de fornecer o melhor tratamento a todos que precisam, mas podemos estar à beira da mudança graças à realidade virtual.

Poucos tópicos são mais quentes no momento do que a realidade virtual (VR). Apesar de existir há décadas, a VR finalmente entrou no mundo dos produtos eletrônicos de consumo por meio de dispositivos como o Oculus Rift e o HTC Vive e, cada vez mais, fones de ouvido que podem ser usados ​​em conjunto com nossos telefones celulares. Mas a VR não é apenas um fator de mudança tecnológica: ela pode transformar a forma como lidamos com problemas de saúde mental.

Não muito tempo atrás, falar sobre problemas psicológicos era um tabu. Agora, a escala desses distúrbios não é mais um segredo. Sabemos, por exemplo, que uma em cada quatro pessoas experimentará problemas de saúde mental em algum momento de sua vida. As ramificações deste oceano de angústia não são meramente pessoais e as conseqüências socioeconômicas são profundas.

Por isso, a forma de tratamento é crucial. Aconselhamento pode ser eficaz até certo ponto, mas as mudanças mais poderosas acontecem quando os indivíduos são apresentados às situações que lhes causam sofrimento e aprendem diretamente a pensar, sentir e comportar-se de maneira mais construtiva. Isso significa sair da sala de consulta e entrar no mundo real, com o terapeuta agindo muito mais como um personal trainer ou coach de liderança. Infelizmente, isso raramente ocorre: mesmo quando os terapeutas reconhecem a conveniência da abordagem, o tempo é escasso.

O quadro, portanto, não é bom – o grande problema da saúde pública é uma incapacidade de fornecer as melhores terapias para a maioria das pessoas afetadas. E, no entanto, podemos estar à beira de um avanço surpreendente, graças a uma tecnologia que está conosco há meio século.

A realidade virtual pode criar poderosas simulações dos cenários em que ocorrem as dificuldades psicológicas. De repente, não há necessidade de um terapeuta acompanhar um cliente em um shopping center lotado, por exemplo, ou até um prédio alto. Situações que são mais ou menos impossíveis de construir no curso de uma terapia – voar, por exemplo, ou ainda eventos chocantes que muitas vezes estão por trás do TEPT – podem ser evocadas com o clique de um mouse. O coaching in-situ que é tão efetivo para tantos distúrbios pode agora ser entregue na sala de consulta, com as simulações classificadas com dificuldade e repetidas quantas vezes forem necessárias.

A VR oferece outra grande vantagem. Compreensivelmente, o pensamento de enfrentar uma situação difícil – mesmo como parte de um curso de terapia – pode ser desanimador para muitas pessoas. Mas pelo fato de ser uma tecnologia e não real, essa reticência tende a desaparecer. Podemos fazer coisas em VR que seríamos relutantes em tentar na vida normal. No entanto, embora o ambiente gerado por computador seja artificial, nossa mente e nosso corpo se comportam como se fosse natural. E isso significa que as lições que aprendemos na VR são transferidas para o mundo real.

Apesar disso, não apenas o componente psicológico das terapias virtuais precisa ser apropriado, mas a experiência da realidade virtual precisa ser pensada do zero. A chamada VR está a quilômetros de distância da tecnologia imersiva e revolucionária que pode ser, mas quando ela é feita corretamente, é uma aventura de tirar o fôlego para os usuários! As terapias virtuais precisam ser tão excitantes quanto os melhores jogos de computador, se quiserem nos fazer voltar para mais.

E, claro, tais tratamentos baseados em VR devem ser testados em testes clínicos rigorosos. Muito trabalho ainda é necessário. Mas, os benefícios podem ser extraordinários. Muitos dizem que a VR é uma tecnologia em busca de um propósito: Em saúde mental, pode ter encontrado um.

Fonte: Daniel and Jason Freeman para The Guardian UK