Futurismo
Ninsaúde

 

#radio


Reparando nervos usando um bioandaime equipado com antena de “rádio”

Sinais elétricos gerados fora do corpo por estimulação transcraniana ajudaram a reparar nervos ciáticos divididos em taxas, afirmam pesquisadores.

A capacidade do corpo de reparar nervos danificados é um mistério. Para os neurologistas, parece claro que os danos ao sistema nervoso central – o cérebro e a medula espinhal – não podem ser reparados. No entanto, o dano aos nervos no resto do corpo – o sistema nervoso periférico – é um assunto diferente.

Muitas evidências sugerem que o corpo pode reparar certos tipos de danos nos nervos periféricos. Mas apenas em certas circunstâncias e, muitas vezes, de formas limitadas. Portanto, novas maneiras de reconectar os nervos cortados e desencadear reparos e regeneração são de considerável interesse.

É por isso que o trabalho de Ashour Sliow na Western Sydney University na Austrália e alguns colegas é importante. Eles desenvolveram uma nova maneira de reconectar um nervo decepado com um andaime biodegradável e depois estimulá-lo eletricamente usando um campo magnético fora do corpo.

Eles dizem que sua técnica é minimamente invasiva, ao contrário de outras abordagens de regeneração de nervos e pode reparar nervos cortados em ratos. Nos últimos anos, os neurologistas descobriram que uma breve estimulação elétrica pode melhorar significativamente a maneira como os nervos se recuperam e reaparecem. Mas, há desafios para aperfeiçoar esse tipo de tratamento. Uma é que os nervos cortados são costurados novamente e as suturas são uma fonte significativa de cicatrização e inflamação. Depois, há o problema de aplicar a estimulação elétrica. Isso geralmente é feito usando uma faixa condutora ao redor da parte reconectada do nervo que está conectada a um fio que se estende para fora do corpo.

Isso geralmente causa problemas. Qualquer conexão invasiva é propensa a infecção e qualquer pequeno puxão no fio pode desalojar a banda. Na prática, a banda de condução migra frequentemente, o que reduz significativamente a sua eficácia terapêutica.

“Reparar e eletricamente estimular os nervos periféricos com um dispositivo não invasivo é muito desafiador e o conhecimento científico e tecnológico atual ainda não produziu um sistema efetivo para combinar e executar essas duas tarefas em conjunto”, diz Sliow e colaboradores.

Eles então adotaram uma abordagem diferente: desenvolveram uma banda feita de quitosana, um material biodegradável feito de cascas de camarão. A equipe liga isso diretamente ao nervo usando um laser que não danifica o tecido nervoso. A banda de quitosana, em seguida, atua como um andaime para o nervo durante o processo de cicatrização. “Este andaime é ancorado ao tecido por um laser sem suturas, explorando assim suas propriedades foto-adesivas”, diz Sliow.

O andaime de quitosana também desempenha outro papel. Os pesquisadores integraram uma faixa de ouro no bioandaime. Esta faixa tem um diâmetro de cerca de 1 milímetro e atua como uma espécie de antena de rádio que pode captar sinais eletromagnéticos gerados fora do corpo.

A ideia é que esses sinais induzam uma corrente na faixa de ouro e isso estimula o próprio nervo.

Para descobrir como funciona bem a chamada “antena de enxerto”, a equipe usou o dispositivo para estimular e reparar nervos ciáticos em ratos Wistar anestesiados. Eles estimularam os nervos cortados usando estimulação magnética transcraniana durante 1 hora por semana, por três meses, usando um padrão de sinais conhecidos por desencadear nervos.

Eles descobriram que os nervos ciáticos se regeneraram durante esse período e que a antena foi capaz de estimular a ação muscular durante o período. Além disso, a antena do enxerto permaneceu estável durante todo o tempo e não migrou durante o experimento.

Isso é um trabalho interessante com potencial significativo. A capacidade de reparar nervos tem se beneficiado de suportes que suportam o nervo e da estimulação elétrica. Mas ninguém descobriu como fazer essas duas coisas ao mesmo tempo. Até agora.

Claro, há trabalho pela frente. Por exemplo, o dispositivo precisa ser comparado em testes controlados a reparos efetuados por suturas para quantificar o quanto melhor ele é. Depois disso, virão provações em humanos e há muita razão para ser cautelosamente otimista. “A antena do enxerto é estável no corpo após a implantação e pode facilitar a regeneração do axônio sem nenhum efeito adverso significativo”, diz a equipe.

Fonte: MIT Technology Review